Mackenzie sedia Copa Brasil de Clubes de Basquete Sub-16

Entre os dias 29 de outubro a 4 de novembro, o Mackenzie sediou mais uma competição nacional: a Copa Brasil de Clubes de Basquete Sub-16. O clube recebeu 24 equipes de nove estados brasileiros, além do Distrito Federal. Também com a viabilização do Comitê Brasileiro de Clubes e apoio da Confederação e Federação de Basketball, o torneio teve um intuito também de formar cidadãos: “é importante enxergar esse tipo de incentivo como uma grande oportunidade para alguns se formarem como atletas e, maior oportunidade ainda, para formar pessoas melhores, garotos melhores, que estão trabalhando com esporte. É um caminho que todo mundo espera para os filhos”, comentou Marcelo Maffia, diretor da CBB.

Para o presidente da Federação Mineira de Basqueketballl, Marcílio Cassini, eventos como este é um apoio fundamental ao esporte de base. “Nós estamos falando de sub-16. É base, é raiz, é essência e, certamente, essa competitividade aprimora o conhecimento da técnica do basquete. Esses garotos podem ter a oportunidade de defender o Brasil em uma olimpíada futura, é muito importante o trabalho de base”, concluiu.

Durante o torneio, milhares de pessoas passaram pelo clube e prestigiaram o evento. Entre familiares, amigos e amantes da modalidade, uma presença especial se destacou na arquibancada. Ricardinho, atleta profissional de basquete, conseguiu conciliar as agendas e acompanhar as partidas do filho, jogador do Fluminense. “É uma emoção muito grande poder acompanhar meu filho já que, por treinar e jogar, eu não posso acompanhar ele nas viagens, mas essa viagem deu pra eu vir e eu estou muito feliz com o desempenho dele e da equipe no torneio. Não tem preço, né? Você ver seu filho jogando, fazendo o esporte que você ama, nenhum pai pode reclamar e só agradecer a Deus.” O filho agradeceu: “Ele sempre ajuda, sempre tenta dar uma força a mais, é bom ter um exemplo pra seguir, ter alguém como inspiração assim”, comentou Lucas.

E quem participou da competição, que reuniu os melhores times do Brasil, acredita que o alto nível da disputa foi essencial para a evolução dos atletas: “somos uma equipe do interior de São Paulo. Acabou que nós jogamos contra e equipe do Sport de Recife, pessoal do Paraná, do Rio de Janeiro, equipes que, se não fosse esse campeonato, nós nunca teríamos esse intercambio, então com certeza foi de bom proveito pra esses garotos aí”, pontuou o técnico do Clube de Campo de Piracibada.

O treinador do Botafogo, concordou com o adversário: “a importância é fenomenal, a gente fez questão de vir. No Rio de Janeiro, a gente não tem essa categoria, então metade do time é sub-15, a outra metade é sub-17, e como não temos categoria sub-16, eles jogam muito pouco juntos. Mas eu fiz questão disso, quanto mais campeonatos tiver, mais eles vão evoluir.”

O torneio foi decidido entre Pinheiros e Minas Tênis Clube, onde os paulistas ficaram com o título. Segundo o técnico campeão, David Pelosini, a Copa Brasil de Clubes foi significativa para a formação de atletas: “essa oportunidade é vital. Sem jogo, só com o treino, o técnico não vai conseguir desenvolver os meninos. A gente precisa desses últimos 5 minutos, 4 pontos, para que eles entendam a diferença de um jogo empatado e um jogo aberto.”

A terceira colocação ficou com a equipe do Flamengo, que venceu a surpreendente equipe Internacional de Regatas, de Santos. Segundo o vice-presidente do Mackenzie, o sediamento dos campeonatos pode ser resumido em uma palavra: “Sucesso! Sucesso pela união de todos os esportes, de todos os personagens desse grande momento, desse evento que nós realizamos. O mais importante é ver a felicidade das pessoas e das entidades que participaram, desse grande grupo de instituições ao fazer um evento para jovens. É um prazer muito grande, um momento de muita felicidade.”